sábado, dezembro 11, 2004

Legítimo e bastardos

Não haverá nas hostes sociais-democratas e populares quem se lembre que o Presidente, para o bem e para o mal, também foi eleito pelos portugueses, por sinal, por uma maioria muito mais abrangente que a que elegeu este governo (esta que, por sua vez, foi fruto do somatório de duas opções distintas e, portanto, não necessariamente coincidentes)? É que uma coisa é ser-se inequivocamente eleito pela maioria absoluta dos portugueses, outra é ser fruto de uma relação de conveniência entre duas facções que se apresentaram separadas (e combatendo-se entre si) em eleições. Será assim tão difícil perceber que para além da legitimidade constitucional que assiste ao Presidente na sua decisão, há também uma legitimidade política? É que quer aqueles moços queiram quer não, Sampaio representa muito mais os portugueses do que eles.

1 Comments:

Blogger mfc said...

A família que os aturem que nós estamos fartos e não temos culpa.

11:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home