terça-feira, dezembro 21, 2004

Ridículo país

É inacreditável que, depois de todos os sacrifícios exigidos aos portugueses pelo governo de Durão Barroso com o argumento de que era necessário cumprir o valor estabelecido pelo PEC para o défice público, estejamos agora na situação tão caricata quanto preocupante de termos escassos dias para conseguir receitas extraordinárias que cumpram esse requisito e sejam aceites pelo Eurostat. É inacreditável e é inaceitável. Temos 150 mil desempregados e inúmeras empresas a abrir falência, mas isso não serviu para nada. Continuamos com um défice público excessivo e somos governados por um bando de idiotas sem rumo que não sabem o que fazer para evitar a falência do país, mas que, mesmo assim, ainda se queixam de serem postos na rua. É tão ridículo que parece ficção.