quarta-feira, março 16, 2005

A necessidade de ocupar o tempo (*)

Devo dizer qualquer coisa para que no silêncio não morra este pedaço de tempo. Pena é que mais não me ocorra do que ocupá-lo com a própria necessidade de o ocupar. E assim o ocupando me aperceba da absoluta desnecessidade de o fazer. Por outro lado, tal ocupação desnecessária acaba por me remeter para outra necessidade, essa sim, de súbito tornada importante. Falo da necessidade que sinto em ocupar um tempo que não necessitava de ocupação. E acabo por descobrir que, afinal, o tempo, este meu tempo precisava de ser ocupado para nessa ocupação eu descobrir a necessidade que, sem eu o saber, me ocupava. Enfim, ocupou-se o tempo, desocupei-me eu.

(*) Para que não se pense que este blogue, que como se sabe é individual, é um produto despótico de algum ego tirano que não deixa margem para incursões de outros egos, sejam eles agradavelmente saudáveis ou obscuramente doentios, aqui se transcreve na íntegra uma posta restante dos despojos que na oposição se acumulam. Até porque naqueles lados as coisas andam meio mortiças, tanto em produção como em recepção. É verdade que aqui também a coisa não vai brilhante, mas pelo menos, não só se vai conseguindo publicar com alguma regularidade como, graças aos meus muito estimáveis, estimados e pacientes leitores, se vai logrando ter mais que uma visita diária, coisa que ali, manifestamente, não se tem conseguido.

1 Comments:

Blogger Rita said...

E agora? Comento aqui ou ali?

11:31 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home