sábado, julho 16, 2005

Não haverá debaixo desses bonés um palmo de testa?

Pergunto eu, que não percebo nada disto... Que autoridade terá a polícia para reagir a um qualquer bloqueio ilegal de estrada, se levar avante a sua intenção de fazer isso mesmo? Francamente, a ideia de a polícia bloquear as pontes sobre o Tejo é, em si, tão absurda, tão ridícula, tão lunática que a mim só me apraz pensar que este país ensandeceu de vez.

O que é que teremos a seguir?
Os militares a colocarem minas nos jardins de Belém para se fazerem ouvir?
Os médicos a fazerem sexo em grupo na via pública sem preservativos, para se fazerem notar?
Os educadores de infância a fazerem birras dentro das creches para obterem o que querem?
Os ambientalistas a pegarem fogo às florestas para que se veja como elas ardem (com a ajuda dos bombeiros para estes mostrarem que não têm meios para combater os incêndios)?
Os governantes e oposição a acusarem-se mutuamente das culpas para o indigente estado da nação, de modo a que bem se perceba que nem uns nem os outros têm alguma coisa a ver com isso?
Os automobilistas a fazerem os possíveis para se matarem o mais depressa possível?

Não. Não pode ser. Não é possível que estejamos a atingir tão profundo grau de demência.

1 Comments:

Blogger Pedro F. Ferreira said...

Essa dos médicos seria interessante. E se isso acontecesse enquanto os polícias bloqueiam as pontes, certamente que a manifestação dos médicos não seria interrompida. Pontem interruptus, sim; Coitus interruptus, não.

1:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home